quinta-feira, 12 de março de 2009

12 de Março de 1946, eram 63 anos comemorados hoje!

Todas as datas são comemoráveis.
Todos os dias são dias de festa.
Todos os dias já foram outrora comemorações

O dia 12 de Março no ano 1946, foi um dia muito feliz.
Uma jovem de 21 anos deu à luz um rapaz, foi mãe pela primeira vez.
Foram pais, de um menino a quem chamara Guido.
Um casal jovem, saudável ,bonito , simpático, igual a tantos outros.
Com uma diferença, a tragédia já predestinara o futuro do seu primeiro filho.
Gostava eu de saber quem amaldiçoou esta criança?
Foi o regime?
Foi Salazar ?
ou a Guerra do Ultramar???

Segundo os meus pais teve uma infância e uma adolescência feliz!
Dotado de uma inteligência rara, embaraçava todos com as suas perguntas, e quando opinava deixava-os admirados com as suas ideologias.
Desde criança questionava o que ninguém tinha ousado perguntar até então.
Era o orgulho dos meus pais, era o filho iluminado, inteligente, sociável, com quem todos queriam partilhar conversas, ideias e opiniões.
No panorama político actual, não consigo localizá-lo em nenhuma militância partidária.
Ao estar vivo, estaria concerteza desiludido com a política e com os políticos.
Hoje fazia 63 anos!
Este dia, sem o Guido, é muito triste.
Toda a família continua perplexa e aturdida.
É difícil acreditar que este jovem, homem, professor cheio de força e de energia tenha partido cedo assim.
Mas,a dinâmica da vida é a morte.
Para quem ainda mantém a lembrança do brilho de seus olhos azuis, da sua maravilhosa risada, dos seus cabelos louros, só o quer recordá-lo feliz!

Hoje no teu aniversário natalício, quero que estejas em paz!
Continuarei a cantar os parabéns baixinho, só omito aquela parte dos ...muitos anos de vida.
Rezo por ti e não te apago do meu coração.
Acredito na reencarnação.
Algum dia nos (re)encontremos.
E será um prazer compartilhar contigo, novamente, momentos de beleza, sintonia e companheirismo.
Sinto e sentirei muitas saudade de ti, mas quero liberar tua alma, e o teu espírito,para os outros voos da tua existência.
A tua impressionante luz estará sempre iluminando o meu caminho e movimentos.

Procurei e encontrei conhecidos e amigos que partilharam contigo a escola o liceu, o magistério.
Mais tarde a recruta no Regimento de Cavalaria nº 3 de Estremoz, nos Comamdos Operações Especiaís, e no serviço militar na Guiné, e todos se emocionam ... e dizem:
- Perdemos o Alferes Brazão, um grande AMIGO, um grande HOMEM, e o irmão do "cognac" em 3 meses de missão em Canquelifá.
Eu, pequenina perante tanto elogio, só sei dizer:
- Sou a irmã mais nova.
Obrigada por tudo!!!!!
Parabéns!

4 comentários:

Dalva M. Ferreira disse...

Não tenho palavras para comentar esse texto, amiga. O tempo vai nos fazendo menos sensíveis à perda, só ele.


Quanto à paixão, no meu pequeno texto, é cega mesmo! Ainda hoje, vendo o filme "O homem bicentenário", vi que a Senhorinha instava o robô para que se atrevesse, que corresse riscos, que errasse. Só errando estamos vivos.

Zeca - Diabo disse...

Muito bonito...

Leninha disse...

Lindíssimo, adorei.

MarTIC@ disse...

Grande homenagem, sim senhora!
O mano deve se sentir orgulhoso...

Bjs

X@u

Funchal

Funchal