domingo, 3 de maio de 2009

Simplesmente porque és Mãe! Bem hajas

As comemorações do Dia da Mãe é a Festa da Primavera, onde se honrava Rhea – a Mãe dos Deuses.

Festejamos todos os domingos o dia da Mãe!!!
A minha Mãe é uma espécie de Sol, tão grande, que já não pode se aproximar da terra, ... está presa na linha do meu horizonte, longe no alto mar...

A minha Mãe é bonita,vaidosa, elegante, ágil.
Continua com o perfil de uma mulher de bom gosto, faz a sua jardinagem, e com isenção, afirmo que é o jardin mais bonito que eu conheço.

Por mais que eu queira, nunca poderei descrevê-la, penso que ninguém o consegue, a nossa Mãe, dá-nos vida.

Existem pessoas na minha vida que me deixam felizes pelo simples facto de viverem.
A principal é a minha Mãe, que me deu à luz, que me criou, me ensinou, beijou e castigou. Sempre me orientou,indicou o meu melhor caminho, sei que nem sempre foi a filha obediente, e as consequências foram evidentes...mas sempre tive a humildade de reconhecer e de querer apreender, sempre....
Algumas vezes percorremos o mesmo caminho, lado a lado, vendo muitas luas a passar.
Partilhamos pedaços da Vida...
Hoje.
Tem 84 anos.
Tem rugas.
Tem cicatrizes de uma vida, alegre e de muita felicidade.
Mas, também com muita, muita dôr...
Com a perda de um filho ,que morreu na guerra, na Guiné.
Um filho por quem o luto nunca amenizou a morte, porque nunca pode fazer-lhe o funeral, porque nunca pode rezar junta aos seus restos mortaís, porque nunca pode lhe levar flores.
Que aguardou silenciosamente o seu regresso, após o 25 de Abril de 1974, durante muitos anos, nunca querendo acreditar na cruel verdade.
A morte do meu Pai, com 58 anos, inesperadamente surpreendente ,numa manhã de sol!
Eram amantes, companheiros e amigos.

Ficou só, numa tristeza profunda e amarga...
Não houve desespêro, mas, perdeu o estímulo pela vida.
Foi traída pela solidão.
As nossas chegadas ,dos netos , bisnetas, continuam a amenizar aquela dor escondida,mas não preenchemos as lacunas e o vazio dos ausentes.


E o tempo voa, passam os anos, e os seus olhos perderam o brilho.
E, eu tenho medo de perdê-la, não quero ser totalmente orfã...


Vive já há alguns anos, no mundo passado quando criança, com lembranças da sua casa, da sua Mãe, pergunta-me com muita frequência:



- Viste a minha Mãe?


- Onde anda Ventura,que ainda não chegou?


- Porque é que ela não volta a casa?....



Mãe, por te tornares tão forte, por suportares tanta angústia durante estes longos anos. Parabéns!
Parabéns por ainda quereres estar connosco.
Parabéns Mãe!
Eu amo-te

6 comentários:

leonorcordeiro disse...

Linda declaração de amor!
Obrigada por compartilhar um pouco sobre a vida da sua amada mãe com os visitantes desse blog.
Grande abraço!
Com carinho,
Leonor Cordeiro

Manuel disse...

Amiga Concha!
Recomendo que seja lida à tua Mãe,esta linda dedicatória.
Ninguém fica indeferente,e,deixa qualquer Mãe orgulhosa.
Também é um legado deixado aos filhos,de sangue e do coração.
Que sigam o exemplo...e que sejam filhas fantásticas.Porque tu és boa filha e uma excelente Mãe.
Um grande abraço

Dalva M. Ferreira disse...

Saudade da minha finada mãe... O mundo valia bem mais a pena, quando ela ainda estava aqui conosco.

MarTIC@ disse...

Bonito texto! Um orgulho para qualquer Mãe!

Parabéns Concha! Pelo seu dia. Por todos os dias...

Beijinhos.
X@u

Leninha disse...

Lindíssimo!!Amei!!Adorei!Como deve imaginar,to "cebolinha".
Adorava que a avó pudesse ouvir e compreender o que a tia lhe escreveu, ela ia adorar.
Beijinhos

Zeca - Diabo disse...

simplesmente perfeito. Vou copiar e mandar à minha, mas espera... a minha não tem 84 anos, bem... vou ter de mudar umas coisas.
Bjs

Funchal

Funchal