segunda-feira, 29 de junho de 2009

O Homem é do tamanho do seu sonho,já dizia Fernando Pessoa

Hoje sinto alguma liberdade!
Aqui neste cantinho, que quase ninguém sabe que existe.
Aqui não tenho nem sinto a maldade dos homens.
Aqui tudo é calmo e sereno, só oiço o que quero.
Aqui não quero acreditar que hajam guerras neste Mundo.
Aqui apetece-me ser Eu.
Aqui quero usufruir o bom que a Vida tem para me oferecer.
Aqui continuo crescendo.
Já vi a libertação de um povo que permaneceu muito tempo calado.
Já senti que somos livres para agir e livres no pensar.
Mas continuamos como filhos do Estado, esperando que este nos salve, que resolva os nossos problemas.
Já senti que o cidadão português é rico em falta de iniciativa, criatividade, predominando a passividade, brotando a dependência e o medo do risco.
Já senti que os que pensam de maneira diferente, agem e sentem, são afastados e desrespeitados.
Já senti que somos livres de voar, mas que temos muito medo das alturas, ou dos ventos que balançam a nossa estabilidade e segurança.
Livre é o pássaro que canta no seu império, sem entidade patronal, morando onde quer e lhe apetece, sem despesas e poiso fixo.
Livre é a criança que não espera pelo amanhã.
Mas não desanimo, não dizem que temos uma criança dentro de nós.
Aliás que todos temos um ser pequeno dentro deste ser crescido que somos?
Então acho que temos é de puxar para cima mais vezes!
Viva a liberdade.
Viva quem por ela lutou.
Estamos agradecidos.
Deixem-nos expressar.
Deixem-nos opinar.

7 comentários:

Espaço do João disse...

Querida Conceição.
Nem a propósito o teu belo texto veio de encontro á minha postagem . Ser-se LIVRE. Os pássaros nasceram para serem livres, não para estarem toda a vida desde o nascimento presos. Crueldade é o que defino para tal. Sei muito bem quanto custa a clausura, pois sem roubar nem matar já passei por ela somente por gritar LIBERDADE. Que coisa mais degradante? Ser-se preso por lutar pelo bem comum.Ser-se marcado como gado, ser-se torturado pelo nosso semelhante, ser-se subjugado , escravisado quando muitas vezes uma codea de pão resolvia tudo. Venha quem vier, serei sempre livre. Não serei pássaro de gaiola.
Um fraterno abraço João.

Manuel disse...

Ás vezes nem posso sonhar.
Os meus sonhos são impossivéis de realizar.
E, tu sabes muito bem.
Porém liberdade ainda sinto tê-la.
Beijos

Zeca - Diabo disse...

Somos livres no nosso pensamento.

Rosa Oliveira disse...

Um hino à liberdade!!!???
Gosto do que escreves.
Gosto da tua transparência da verdade.
É a realidade,e como sabes tão bem retratá-la.
Beijos

Concha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vieira Calado disse...

E que viva a liberdade!

Entretanto...

vamos esperando por D. Sebastião...

Bjs

Dalva M. Ferreira disse...

Até que ponto somos realmente livres? A vida em sociedade nos encarcera, com as suas normas e seus regulamentos, suas convenções e suas exigências. Nós abdicamos da nossa liberdade para con-viver. Mas ainda há esperança quando ao menos reconhecemos isso: quando enxergamos os nossos próprios limites.

Funchal

Funchal