quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Ai a minha rica saúde!

Ninguém tenha duvidas, que o mais importante é a saúde. Quando a perdemos, pode ser uma catástrofe ou naufrágio.
É preciso ter força para a combater todos os dia um pedacinho.
É preciso sentir-se acarinhada.
É preciso ter um refúgio onde nos abrigamos.
É preciso sentir a solidez da família.
É preciso sentir muito amor.
Ando a conviver com uma osteoperose galopante, que me provoca diminuição da resistência óssea e tem-me deixado demasiado condicionada.
Quero manter os ritmos que adquiri , e tem sido muito desconfortante, apesar da minha determinação.
Locomovo-me com dor já há muitos anos, mas aparecem sempre as crises que são sempre mais dolorosas.
E, eis o início de mais uma batalha com medicação injecções e ...
Para descontrair nesta situação, achei que deveria anotar as minhas rotinas e vivências, ainda que pareçam insignificantes.
Ajuda a minimizar a dor, que quero que passe o mais rápido possível.
A viver emoções... vou deixando rascunhos, apontamentos simples que a vida me dá .
Estou a preencher lacunas que eu até então, nem dava por falta.
Enquanto vivo e não mudo de estrada, vou andar por aqui a ganhar força para continuar, porque estas crises voltam sempre.

4 comentários:

Vieira Calado disse...

Creio que também pode contar com a soliriedade dos blogistas.

Desejo suas melhoras.

Beijoca

Fernando José Ramos disse...

Pois é bem verdade,quando dizemos que só damos valor às coisas quando as perdemos.
Aqui está a nossa realidade...faço votos que melhore porque a quero vê-la sempre por cá.
Beijinhos e boa saúde!

Manuel disse...

Com a tua energia,dificílmente farás o repouso desejado.
Quero que faças o tratamento completo,e com toda a certeza que vás ter de o repetir.
Tens uma doença degenerativa e tens de estar atenta.
Beijinhos e rápidas melhores, eu até sofro contigo mas não consigo te aliviar nas dores.
Beijinhos

MarTIC@ disse...

Minha cara Concha!

Notícia triste, esta. Mas... é nas adversidades da vida que encontramos forças para poder dar a volta e superar a dor.
E com a sua energia e vontade, acredito que vai conseguir!
As melhoras! E muita força, mulher de guerra.

Beijo grande.
X@u

Funchal

Funchal