domingo, 1 de maio de 2011

Tenho medo da vida, minha Mãe


... Diz à dor que me espera eternamente, para ir embora.
Expulsa a angústia imensa.
Do meu ser, que não quer e que não pode....
Dá-me um beijo.
Minha Mãe, minha Mãe, eu tenho medo.
Me apavora a renúncia.
Dizei que eu fique.
Afugenta este espaço que me prende.
Afugenta o infinito que me chama.
Que eu estou com muito medo, minha Mãe.



(do livro de Vinicius de Moraes "Poesia completa e Prosa", Rio de Janeiro 1998, pág. 186)

7 comentários:

teacher disse...

Quem não tem medo???? Quem????
Só quem não tem coragem de o admitir!!!!
Eu tenho medo.......
Tenho sim....muito medo!!!!

teacher disse...

Mas quando a dor vem....a minha Mãe escorraça-a!!!! Empurra-a para bem longe!!!Que é para eu não ter medo!!!
Bem hajas minha Mãe!!!!!

Fernando José Ramos disse...

Conceição, comoveu-me a homenagem feita à tua Mãe, faço das tuas as minhas palavras para dedicar à minha,que infelizmente já não está cá.
Gosto de comungar contigo o mesmo gosto literário.
A tua literacia demonstra a mullher inteligente que és.
Grande abraço

...Evellyn... disse...

ah... só a mãe pra aguentar mesmo...

Um brasileiro disse...

Olá. Tudo blz? Estive por aqui dando uma olhada. Muito legal e interessante e bonito. Apareça po rlá. Abraços.

Joa de Arievilo disse...

foto lindíssima!

Ai que vergonha.. por ir à minha banca de poesia e não ter encontrado poesias novas!

Assim, deixei lá três, para corrigir essa falta!
um beijinho
joa

carol disse...

Bonito poema! Ah que ter medo e há que ter coragem - são a face e verso da mesma moeda.

Funchal

Funchal