domingo, 19 de julho de 2009

As asas,que outrora voaram,foram cortadas...

Pedir para não sonhar, seria loucura.
Pedir às pessoas que me vêem, que digam se sou ou não feliz, se sou ou não justa...
Seria uma incoerência.
O tempo é uma trama de efeitos e causas, sorte ou azar.
Sabê-lo antecipadamente?
Ninguém merece tal milagre.
Não posso suplicar para que a minha vida modifique, que os meus erros sejam perdoados, que as minhas escolhas sejam outras.
Vivo assim,tal qual como sou.
Com a liberdade do meu pensamento.
É ilusória!
Mas posso dar ou sonhar.
Posso dar a coragem, que não tenho.
Posso dar a esperança, que não está em mim.
Posso ensinar a vontade de aprender o que pouco sei.
E posso continuar a ser útil, mesmo sem realizar sonhos...

4 comentários:

Manuel disse...

«Posso ensinar a vontade de aprender o que pouco sei.»
A modéstia,a simplicidade é de quem sabe ser generosa e amiga.
Beijos

António disse...

Amiga,
Adoro ler sempre os teus posts, são lindos!
Tens uma escrita genial.
Simplista, realista e com uma grande qualidade literária.
Um grande abraço

antonio disse...

Já pensaste compilar tudo o que escreveste?
Se precisares de ajuda.
Estou aqui.
Beijos

Zeca-Diabo disse...

quem cortou as asinhas?

Funchal

Funchal