sábado, 12 de fevereiro de 2011

Nunca poderei dizer que sou infeliz.



















Dei por mim recentemente a pensar nas minhas humildes conquistas.
Nas minhas grandes perdas.
Nos meus entusiasmos.
Nos obstáculos que ultrapasso.
Nas provas que vou superando, mesmo quando me sinto impotente, encontro forças quando penso que já não tenho.
A certeza de não ter nada.
Porém tenho uma luz que me acompanha.
Uma estrela que me guia.
Um barco que me leva sempre a um porto.
Um anjo que me deixa sonhar.
Tenho a minha mãe que me acarinha.
Que não sabe o meu nome, que se esqueceu de viver.
Mas, é a minha alegria.
É a minha inspiração.
É a minha força.
É amor incondicional.
É ternura.
Beijos Mãe, és única.

2 comentários:

Manuel disse...

A minha amiga voltou!!!!!
Saudades da tua transparência e humildade.
Serás sempre uma linda mulher.
Grande beijo

carol disse...

Que humildade!
Que bom se todos fôssemos um bocadinho assim!

Funchal

Funchal